Dr. Alexandre de Sousa Carlos, Médico Gastroenterologista, explica:

Em 19 de maio comemora-se o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal (DII) e por conta desta data o mês ficou conhecido como Maio Roxo. As DII são representadas pela doença de Crohn e retocolite ulcerativa que são doenças crônicas que inflamam o trato gastrintestinal provocando principalmente feridas (erosões, úlceras) e que se não diagnosticadas e tratadas adequadamente podem trazer complicações sérias para o paciente.⠀

As doenças inflamatórias intestinais podem iniciar em qualquer idade, mas geralmente atingem a faixa etária de 20 a 40 anos. Os sintomas variam conforme a parte do órgão afetada sendo os mais comuns: diarreia crônica, dor abdominal, náuseas, vômitos, deficiências vitamínicas principalmente de ferro e vitamina b12, perda de peso, aftas orais, fístulas, fissuras anais. Algumas situações tais como infecções e/ou estresse podem ser gatilhos.


Em relação às DII dois pontos devem ser levados em consideração: 

  • O número de casos novos vem aumentando em todo Brasil, daí a necessidade de se pensar na DII como diagnóstico diferencial de diarreias crônicas, dor abdominal, perda ponderal, fístulas perianais, etc
  • Atualmente ainda há um retardo de no mínimo 1 ano no diagnóstico da DII podendo levar a complicações de difícil controle

Desta forma, caso você tenha alguma dos sintomas citados acima procure um médico gastroenterologista ou clínico geral.

O tratamento instituído quando precoce e adequado tem o objetivo de controlar a doença e restaurar a qualidade de vida do paciente.

 

 

Dr. Alexandre de Sousa Carlos

Médico Assistente do Departamento de Gastroenterologia do Hospital das Clínicas de São Paulo.
Médico do corpo Clinico do Hospital Sírio Libanês, Albert Einstein, Beneficência Portuguesa, São Camilo Pompeia e Hospital Novo Atibaia.
Membro titular da Federação Brasileira de Gastroenterologia – FBG.
Membro titular da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva – SOBED.
Membro do Grupo de Estudo das Doenças Inflamatórias Intestinais do Brasil – GEDIIB.